You can enable/disable right clicking from Theme Options and customize this message too.

Livro Online

* Por favor, preencha os campos obrigatórios *

Novas regras para tirar a CNH entram em vigor na segunda-feira 16/09/2019 e já geram polêmica

CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO / Sem Comentário / 15 de setembro de 2019

Alunos comemoram economia com menos aulas, mas autoescolas se preocupam com a segurança.

As novas regras para a formação de condutores começam a valer na próxima segunda-feira, dia 16 de setembro. A resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) altera a obrigatoriedade do uso de simulador, reduz carga horária dos cursos práticos, aulas noturnas e habilitação para ciclomotores, podendo representar economia para quem pretende treinar numa autoescola.
Para os que querem tirar a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) na categoria B – que permite a condução de veículos de quatro rodas com lotação de até oito lugares, sem contar o motorista, a resolução do Contran prevê que o uso do simulador deixa de ser obrigatório. Se o aluno decidir não utilizar o simulador, precisará passar por 20 horas/aula práticas na rua. Usando o equipamento, a carga cai para 15 horas/aula na rua.
Para Vinny Borges, instrutor Teórico e Prático da Autoescola APOLLO, no Flamengo, zona sul do Rio, a redução de aulas poderá ter um efeito negativo, haja vista que nenhum candidato a primeira habilitação estaria “propriamente” pronto para conduzir um veículo automotor em vias abertas a circulação pública, levando em consideração o número de reprovações no âmbito prático do curso. Muitos candidatos estão despreparadíssimos e estatísticas do DENATRAN apontam que de cada cinco candidatos, apenas três estariam aptos a conduzir veículos com as 25 aulas obrigatórias; reduzindo esse número obrigatório de aulas, seria uma catástrofe.

(foto de um local de prova)

 

“A gente já vinha falando ao longo do tempo e hoje estamos tirando a
obrigatoriedade dos simuladores, que passam a ser facultativos. Será uma
opção do condutor fazer a aula ou não. Se ele julgar necessário que aquilo
é importante para a formação dele, de que não está seguro de sair para
aula prática, ele poderá fazer. Se não quiser, ele não terá que fazer aula de
simulador”, disse o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, à época do
anúncio das mudanças.
O ministro também afirmou, à época, que a medida busca reduzir a
burocracia na retirada da habilitação. Tarcísio Freitas disse estimar uma
redução de até 15% no valor cobrado nos centro de formação de
condutores. “O simulador não tem eficácia comprovada, ninguém
conseguiu demonstrar que isso tem importância para formação do
condutor. Nos países ao redor do mundo, ele não é obrigatório, em países
com excelentes níveis de segurança no trânsito também não há
obrigatoriedade. Então, não há prejuízo para a formação do condutor”

(Tarcísio Gomes de Freitas_Presidente do Contran)

 

Deixe uma resposta